orai e vigiai

Olá, se você possui algun tempo vago para perder à toa lendo alguns textos prolixos e enfadonhos está no lugar certo (rsrs), pode aproveitar que estamos em liquidação de estoque! Espero que você aproveite alguma coisa de tudo o que conseguir ler neste espaço, pois eu não consegui escrever nada mais curto e objetivo, talvez porque não fosse de meu interesse, ou quem sabe faltou capacidade para tal, quem sabe?... Boa sorte na sua missáo quase impossível...Que Deus te abençoe!

quinta-feira, maio 04, 2006

 

SIMPLESMENTE TRADICIONAL


“Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente.” Hebreus 13:8;









JESUS, ÚNICO CAMINHO, VERDADE E VIDA
Hoje em dia no meio cristão, dado o grande avanço das denominações e expansão do protestantismo, há uma grande controvérsia quanto à costumes e a doutrinas, a respeito de práticas, liturgias, ensinamentos... São criados rótulos e nomenclaturas, cada vez mais variados; em meio a essa panacéia de “movimentos” fica difícil se saber o que fazer, em que crer, como agir... Entretanto, mesmo em meio à tempestade se nós recorrermos à bíblia somente, podemos ouvir a voz do Pastor que diz: “Sossegai, sossegai...” E é aí somente que poderemos encontrar alento e descanso para as nossas almas, então façamos uso desse privilégio que possuímos de tomar conselho das sagradas letras para delas retirarmos nosso alimento, rejeitando tudo mais que não seja proveitoso para nossa edificação, para isso nos basta à coragem de examinar as escrituras com rigorosa honestidade e um amor incondicional à verdade, uma disposição interior que me faça aceitar a autoridade soberana da Palavra de Deus sobre todo e qualquer conhecimento, tradição, credo... Firmando pacto de fidelidade e submissão que poderá conduzir à experiência de gozo e satisfação de encontrar-se com a verdade. Uma definição que considero razoável para a verdade, seria a correspondência entre o objeto e o enunciado, a harmonia entre a proposição e o ente, entre a coisa e o que se afirma dela... Coerência! Mas parece que tal postura, que devia naturalmente fazer parte da vida de qualquer dito cristão, torna-se cada vez mais rara. Hoje poucos estão dispostos a serem honestos consigo mesmo, a ter paz com sua consciência, nem todos querem seguir pela dificultosa, porém segura, senda da renúncia, é mais fácil e cômodo adaptar-se ao curso natural da multidão, “remar contra maré pra quê?” talvez se perguntem alguns! Qual o sentido de se lutar contra o curso da história, da cultura popular, das tradições seculares, dos costumes e hábitos estabelecidos??? “Persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro eu agradar a homens? Se tivesse ainda agradando a homens, não seria servo de Cristo.” Gálatas 1:10;
NA ESTRADA PARA DAMASCO
“Ide eu vos envio como cordeiros ao meio de lobos... Curai os enfermos que nela houverem, e dizei-lhes:É chegado a vós o reino de Deus...Eu vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum.” Lucas 10:3,9,19; Na década de 50 um casal de missionários, vindos de uma Igreja Batista dos EUA, estabeleceu-se em um posto avançado do alto Rio Solimões, no vale do Javari, no estado do Amazonas; entre seus primeiros frutos estava um jovem ávido por conhecimento, nativo daquela região, filho de um judeu imigrante “soldado da borracha” e de uma autêntica cabocla local, aquele rapaz logo se tornou peça chave no trabalho evangelístico do casal missionário, assumindo o cargo de auxiliar do Pr. Lunes na congregação fundada naquela localidade. Anos passados, um garoto visita um templo de uma denominação carismática e pasmado com o que vê resolve consultar seu avô sobre o que viu lá, “o vovô deve ter a resposta”, pensou o jovem garoto, ao chegar em casa não aquieta-se até que possa falar com quem poderá lhe esclarecer suas dúvidas. Ao ver seu orientador nas horas difíceis ele não se contém e lhe conta de súbito tudo que viu e ouviu naquela reunião, o velho obreiro ouve tudo em silêncio e ao final do relato sentencia intrepidamente: “filho, nós somos tradicionais, não temos esses costumes” o garoto sem dar tempo replica:- “como assim? O que é ser tradicional?” segue-se um silêncio tétrico, o moço percebe que é hora de sair, já é tarde, deve retirar-se. No caminho de casa mil pensamentos lhe invadem a imaginação, mas por que não havia resposta para uma tão simples pergunta? Como? O ingênuo menino não sabia o quão difícil seria achar aquela resposta... Anos mais tarde, morando em outra capital brasileira, o assunto já se achara esquecido, e por “coincidência”, no mesmo bairro em que o agora rapaz morava foi inaugurado um trabalho de certa denominação de cunho carismático, por conseqüência surge de novo o fantasma da dúvida que há tanto tempo lhe incomoda, sem hesitar procura seu pastor, um homem experimentado, com tantos anos de ministério, certamente saberia lhe responder de modo satisfatório, parte então para a ação. Ao ver o homem de Deus lança a questão: “Caro pastor o que é ser tradicional?”, ao contrário de seu primeiro entrevistado, esse responde quase sem pensar, e começa dizendo que ser tradicional era seguir os costumes antigos, obedecer às regras estabelecidas, ter um sentimento de reverência e obediência às doutrinas e fundamentos da igreja primitiva, dos apóstolos, de Cristo... Andar como Jesus andou, fazer como ele fez, como os apóstolos, os santos, os pais da Igreja, obedecer ao evangelho, seguir o que diz as escrituras. Pronto! O Zezinho nunca tinha ouvido uma resposta tão bem fundamentada, tão satisfatória, ao fim da explicação agradece a sai contente com o que ouviu nunca mais irá se esquecer daquelas palavras, parece que foram gravadas com ferro quente em seu coração. Em outro evento, uma criança cai enferma, de um mal muito grave, a mãe do menino resolve chamar seu pastor para orar pelo seu filho para que ele se restabeleça, o pastor ao ser contatado oferece o carro para levar o moço ao médico e diz que não adianta orar, pois para isso existe médico, a mãe inconformada (pois o menino já tinha sido examinado e não se conseguiu diagnosticar a doença), replica a resposta e comenta que Jesus e os apóstolos oravam pelos enfermos, ao que o pastor lhe responde que aquelas operações foram apenas para aquela época, e finda por aí a discussão. Certa vez, em uma manhã de domingo, uma pessoa que não pertencia aquela congregação, no meio do culto cai ao chão contorcendo-se e estrebuchando como um animal, emitindo sons semelhantes ao relinchar de um cavalo e pronunciando frases incompreensíveis com uma voz cavernosa, horripilante, o pastor com toda calma pede que a pessoa se recomponha e pare com aquela cena, sem obedecer, o que está no chão cospe o rosto do homem e tenta agredi-lo; sem perder o controle, o pastor, atravessa a rua e vai ao telefone público para chamar a polícia, ao chegar a viatura, após meia hora de luta corporal com um bando de policiais, aquele pobre coitado é levado algemado... Em outro evento a esposa de um pastor tem um sonho com um camelo que caía ao chão, e o homem que estava sobre ele morria, ao acordar, conta o sonho ao seu marido, ele sem dar atenção diz que sonho é sonho, e ela deve esquecer isso, deve ter sido o jantar, ela comeu feijão de noite, “isso dá pesadelo”. Sai para supervisionar as obras da igreja que administra, no mesmo dia, no templo presidido por aquele pastor, ocorre um fato inusitado, um acidente fatal! Um dos operários que está trabalhando sobre um andaime cai de uma altura superior a 6 metros e morre instantaneamente, uma peça de sustentação da estrutura do andaime, apelidada de “camelo”, estava rachada, e se quebrou enquanto o rapaz estava sobre o mesmo, precipitando-o ao chão... Aquele jovem curioso ao ouvir tais histórias, não consegue conformar-se com isso, pois ele tinha lido em sua bíblia: “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça daí.” Mateus 10:8; Pensa consigo, se somos tradicionais, como então não fazemos isso, como não cumprimos estas ordens do Senhor? “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, e quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão os que crerem: Em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e quando beberem alguma coisa mortífera não lhes fará dano algum; imporão as mãos sobre os enfermos, e os curarão.” Marcos 16:15-18; Qual motivo de não se operar hoje os sinais do passado? “Jesus lhes respondeu: Por causa da vossa pequena fé. Em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível.” Mateus 17:20; O que me falta? Queria saber ele. “Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: Nos últimos dias, diz Deus, do meu Espírito derramarei sobre toda a carne. Os vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, os vossos velhos sonharão sonhos. E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão... E todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.” Atos dos Apóstolos 2:16-18,21; Qual o verdadeiro sentido de ser tradicional? Então ele se lembra das palavras daquele pastor e compreende, enfim...
À CAMINHO DO GÓLGOTA
“Assim, pois, irmãos, permanecei firmes, e conservai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.” II Tessalonicenses 2:15; O rapaz entende que existe um princípio maniqueísta na questão, que existem dois tipos de tradição, a falsa e a verdadeira! A humana e a cristã... “Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão, porém me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Deixando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens, como lavar dos jarros e dos copos, e muitas outras coisas semelhantes a estas. E disse-lhes: Jeitosamente rejeitais o mandamento de Deus para guardardes a vossa própria tradição.” Marcos 7:6-9; O tradicionalismo humano pode afastar um homem do caminho da salvação! “Pois já ouvistes qual foi antigamente a minha conduta no judaísmo, como sobremaneira perseguia a Igreja de Deus, e a assolava. E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha idade, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais.” Gálatas 1:13-14; O mal tradicionalismo era combatido pelos baluartes da fé cristã. “Tendo cuidado que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.” Colossenses 2:8; Certa vez lendo um livro de Teologia Sistemática, escrito por um autor de índole calvinista, na parte que tratava acerca dos dons espirituais, o jovem leu algo que o deixou confuso. O autor afirmava que os dons foram extintos e que os sinais miraculosos cessaram, mas o dito teólogo não soube fundamentar sua proposta, não foi convincente, o jovem se pergunta: “Se Cristo ainda hoje opera o maior de todos os milagres que é o milagre da salvação, da regeneração, do novo nascimento... porque não operar os menores? Se as coisas grandes são feitas, qual a impossibilidade de se operar as pequenas? Qual fundamento para tanta incredulidade?...” (*Os fatos narrados acima são fictícios, servem apenas de ilustração, qualquer semelhança com fatos reais é pura coincidência). Dificilmente se poderia fundamentar tal tese nas escrituras, os dons chamados por alguns de “apostólicos” não se manifestaram apenas nos apóstolos, (pelo rigor da tradição, o próprio Paulo não seria considerado um dos tais). “No dia seguinte, partindo dali Paulo, e nós os que com ele estavam, chegamos a Cesaréia. Entrando na casa de Felipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele. Tinha este quatro filhas solteiras que profetizavam.” Atos 21:8-9; Estas moças não eram apóstolos com certeza! “Demorando ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, de nome Ágabo, que vindo ter conosco, tomou o cinto de Paulo e, ligando os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem a que pertence este cinto, e o entregarão nas mãos dos gentios.”Atos 21:10-11; Este tampouco era apóstolo. E fala como os profetas da Antigüidade, “Assim diz o Senhor”, ou melhor, “ Assim diz o Espírito Santo” a menos que não se creia que Este é Deus! Alguém dirá ainda: “mas isso foi apenas para os dias da igreja primitiva” E o que dizer de outros fatos registrados pelas letras da história, pela narrativa das testemunhas, nas páginas da secular ciência humana! A “sui generis” sentença proferida, ou melhor, profetizada por John Huss ( séc.XV) na hora de sua morte: “ Vocês podem matar o ganso ( huss em seu idioma significa ganso), mas em cem anos Deus suscitará um cisne ao qual vocês não poderão matar” No mês de outubro do ano de 1517 d.C o jovem Martinho Lutero fixa as 95 tese contra as indulgências nas portas da capela de Wittenberg, por “coincidência”, 102 anos após a morte do mártir da fé John Huss. E mais, um dos íntimos amigos de Lutero, e posteriormente ajudador na obra, chamado Miconio, teve um sonho, ao encontrava-se preocupado com Lutero, orava por ele incessantemente, narra ele que no sonho viu o Salvador que lhe mostrou a fronte, as mão e os pés feridos e lhe disse: “ Segue-me” levou-o a uma colina e lhe mostrou ao horizonte milhares de ovelhas brancas e apenas um homem tentando apascentar todas elas, então, ele reconhece o homem, é Lutero, pelo que Aquele que falava com ele lhe disse: “ Miconio, olha para o poente”, ele olhou e viu campos de trigo brancos para a ceifa, e um único trabalhador exausto, que lidava para ceifá-los, olhando atentamente para aquele homem o reconhece, é Lutero seu amigo, em seguida desperta do sono e decide empregar sua vida no ministério ao lado de seu amigo e reformador! E o que dizer do testemunho do grande pregador inglês John Wesley (1703-1791): “Cerca de três horas da madrugada, enquanto perseverávamos em oração, o poder de Deus nos sobreveio de tal maneira, que gritamos impulsionados de grande gozo, e muitos caíram no chão. A seguir, ao passar um pouco o temor e a surpresa que sentimos na presença da majestade divina, rompemos em uma só voz: Louvamos-te, ó Deus, aceitamos-te como Senhor!” O pregador e avivacionista John Bunyan (1628-1688) que em seu chamado, e posteriormente em seu ministério, foi sempre guiado pela voz divina, através de inúmeros sonhos e revelações, sempre dizia ouvir a voz de Deus em seus momentos de oração, na obra do Senhor. Muitos outros casos e testemunhos existem, estão aí ainda hoje, o Espírito de Deus fala hoje como sempre falou, não se apagou a chama... “Não extingais o Espírito; não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. Abstende-vos de toda espécie de mal.” I Tessalonicenses 5:19-22; Outro argumento comum para a incredulidade é o do culto racional. Então vamos a este e, analisemos o que de fato significa. Leia-se: “Rogo-vos, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Romanos 12:1; Veja bem, o apóstolo Paulo, instrui os crentes a apresentarem seus corpos como sacrifício a Deus, e não somente o corpo como a mente, a razão, entenda-se por racional o que é do trato imaginário, mental, não-físico, no campo do pensamento. Aquilo que não é intuitivo, não sensual, desvinculado da matéria... Mas como? Veja bem: “Digo, porém:Andai no Espírito e não satisfareis à concupiscência da vossa carne.” Gálatas 5:16; Então, aquele que apresenta a Deus seu corpo em sacrifício, consegue dominar a carne e suas paixões, mediante a santificação, podendo assim prestar ao Senhor um culto santo e agradável, desvinculado do trato intuitivo, sensual, carnal, emocional, ou seja um culto racional, um culto com o entendimento. “Pois segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus, mas vejo nos meus membros outra lei que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros... A inclinação da carne é morte, mas a inclinação do Espírito é vida e paz. A inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeita à lei de Deus e nem em verdade o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” Romanos 7:22-23;8:6-8; Somente andando no Espírito, na santificação, na consagração, apresentando meu corpo como sacrifício vivo, santo e agradável é que consigo prestar o meu culto racional, espiritual... Note-se, porém, que carne, não se refere ao corpo, propriamente dito, pois o corpo pode ser usado para louvar a Deus, já a carne nunca irá servir a Deus, não pode prestar-lhe culto ou louvor, ela é por natureza contrária ao Espírito de Deus! Então o que será a carne? Se não é corpo, o que é então? Uma definição razoável para carne, no sentido figurado, ao que se refere às passagens citadas acima, poderia ser a expressão de baixos instintos humanos, ou seja, uma disposição para o pecado, puramente intuitiva, embora na alma, esta natureza que ao que parece é algo abstrato, e está ligada diretamente ao corpo. Veja bem, existe uma diferença qualitativa entre o raciocínio e a intuição, a intuição, no sentido que abordamos aqui, sempre recorre à sensibilidade para apreender seus objetos, em outras palavras, a intuição percebe pelo corpo, enquanto que o raciocínio é uma faculdade do entendimento, que não tem a necessidade de recorrer ao corpo (sensibilidade) para conhecer seus objetos. Então, a carne representa, nessas passagens, a natureza do pecado que habita no homem, desde a decadência no Éden, uma herança adquirida pelo pecado do primeiro Adão, que passou a todos. Um instinto desenfreado de satisfazer às necessidades terrenas e animais do corpo, semelhante ao instinto de preservação, esta é também de índole egoísta, excede, porém, o simples instinto de auto-preservação, pois visa também a satisfação do ego e não somente do corpo, englobando assim toda sorte de desejos pecaminosos, no corpo e na alma! Uma semente que está no corpo, sem ser corpo, que, sem remorso, sempre segue em direção ao proveito próprio. “Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão ao pai em espírito e em verdade, pois o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” João 4:23-24; Observe bem, Deus é Espírito! A verdadeira adoração deve ser feita em espírito, o verdadeiro culto deve ser espiritual, racional, portanto, não deve de modo algum ser emocional, intuitivo, terreno, sensual (qualidade do que é sensível), deve exceder a carne, ou os baixos instintos humanos! Mas e daí? O que tem a ver racionalidade com incredulidade? Nada! A fé é puramente racional, haja vista que a fé se dá no entendimento, no campo do pensamento, da faculdade da razão, por assim dizer. “A fé é a certeza das coisas que se esperam, é a prova das coisas que não se vêem... Ora, sem fé é impossível agradar a Deus, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que Ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:1,6; De todo modo a fé é racional, se dá na razão, na mente, é coisa do entendimento e não do corpo, não da matéria, não do mundo sensível. A fé despreza a sensação, a intuição, ela pensa seu objeto e não o sente, não o experimenta, não tem necessidade de fazer uso da sensibilidade, de modo algum! “Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito, e o Espírito o que é contrário à carne. Estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis.” Gálatas 5:17; Disse Jesus: “O espírito é que vivifica, a carne para nada presta. As palavras que vos tenho dito são espírito e vida.” João 6:63; De modo algum o culto racional é um culto frio, incrédulo, humano... Ao contrário é um culto santo, crente, aceitável ao Senhor. Ser racional não é ser natural! Naturalmente nenhum homem poderia se converter. Não se pode humanamente, ou melhor, de maneira puramente terrena e natural, chegar-se ao conhecimento da verdade do evangelho. Partindo do ponto de vista, que a razão pensa seus objetos somente, sem recorrer à experiência do mundo sensível, e que ninguém jamais viu a Deus, ou pôde percebê-lo mediante a sensação, então o conhecimento de Deus é um ato de pura fé.


NO CAMINHO DE EMAÚS
“Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” João 8:36; “ Não foste vós que me escolheste a mim, mas fui eu quem vos escolhi a vós...” João 15:16; “... Graças te dou, ó Pai, Senhor dos céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelastes aos pequeninos.” Mateus 11:25; A revelação de Jesus Cristo supera o campo da naturalidade, da razão puramente humana, um homem não pode receber a salvação de forma natural, não pode compreender o plano de salvação e as obras de Deus sem que isso lhe seja revelado pelo Espírito de Deus. “Quando Ele vier convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo.” João 16:8; O poder de convencimento é ministério específico do Espírito de Deus. “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, pois lhe parecem loucura, e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem a tudo, ele de ninguém é discernido. Pois quem conheceu a mente do senhor para que o possa instruir? Mas nós temos a mente de Cristo.” I Coríntios 2:14-16; E mais: “Pois a palavra da cruz é loucura para os que perecem, mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.” I Coríntios 1:18; Não basta o homem tentar compreender, se do alto não lhe for dada a graça do entendimento das coisas espirituais, se não lhe forem abertos os olhos e ouvidos para que creia na verdade. A própria fé que possuímos nos foi dada pelo Senhor, como dom. E quanto ao que fazer em minha caminhada na fé; devo ser como Jesus, seguir seus passos! “E quem não toma a sua Cruz e não vem após mim não é digno de mim.” Mateus 10:38; E ainda: “Sede meus imitadores como eu sou de Cristo” I Coríntios 11:1; “Sede pois imitadores de Deus, como filhos amados...” Efésios 5:1; Imitar a Cristo e aos fiéis: “Não desejamos que vos torneis indolentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdaram as promessas.” Hebreus 6:12; Veja bem, o conselho santo é imitar os servos fiéis do passado, em seus bons exemplos: “Lembrai-vos dos vossos guias, que vos falaram a palavra de Deus e, atentando para o êxito da sua carreira, imitai-lhes a fé.” Hebreus 13:7; A verdadeira tradição é essa, seguir a Cristo, fazer o que ele fez, imitar-lhe os feitos, simples e grandiosos, ser tal como ele foi, pisar pela via dolorosa, pelo caminho estreito, levar a cruz após Ele... “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço. E as fará ainda maiores do que estas, porque eu vou para o Pai. E farei tudo o que pedirdes em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.” João 14:12-14; Essa é a palavra de Jesus, a palavra de Deus. “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão.” Mateus 24:35; Seja honesto consigo mesmo, você que hoje se acha preso a regras feitas pelas mãos dos homens, pense e reflita, se o que você aprendeu foi simplesmente lendo a bíblia, ou se foi algo que lhe foi transmitido por tradição e costume! Ser tradicional, no bom sentido, de forma agradável e aceitável ao Senhor, é obedecer e crer em suas promessas, ouvir a voz do bom Pastor, ao invés de ouvir o homem, fazer isso sim é ser simplesmente tradicional... “Quando tira par fora todas as ovelhas que lhe pertencem, vai adiante delas, e ela o seguem, porque conhecem a sua voz. Eu sou o Bom Pastor; eu conheço as minhas ovelhas, e as minhas ovelhas me conhecem.” João 10:4,14;

“Disseram um para o outro: Não ardia em nós o coração quando, pelo caminho nos falava e quando nos abria as Escrituras?” João 24:32.


Comments: Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

Archives

Maio 2006  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?